Lembranças

Tem dias que eu me pego capaz de dar uma perna, um braço, qualquer coisa, pela possibilidade de voltar no tempo. Poder fazer algumas coisas diferentes, aproveitar melhor algumas experiências. Infelizmente nada disso é possível, por maior que seja a minha vontade.

Sábado fui para São Paulo com o namorado e com dois amigos para ver o show do Ian Anderson, e, como todas as vezes que eu vou para lá acontece, fui invadida por um sentimento agridoce de profunda saudade do meu avô paterno.

Eu e minhas irmãs passavamos as férias escolares com os avós, ora em Rio Claro, ora em São Paulo. Revezávamos para que eles não ficassem sobrecarregados com a energia de três crianças em plena euforia das férias. Esse período do ano era o mais esperado por mim, ia com o vô na feira, ele me segurava forte a mão com medo que eu me soltasse e saísse correndo e, como boa bicho do mato que sou, me perdesse dele. O jeito que o meu avô segurava a nossa mão era só dele, eu tenho certeza que as minhas irmãs também se lembram. A vó nos fazia gemada, e não era igual a de ninguém nesse mundo todo. E os bolos? Tentação total!!

Após o almoço o vô ia para a sala “assistir o Chaves” (na verdade ele tirava um cochilo assim que a música começava) e as meninas ajudavam a vó a arrumar a cozinha, contando as novidades da escola, da família… Depois íamos brincar no quintal, ler gibi, andar de bicicleta…

Se eu soubesse que meu tempo com eles seria tão curto, teria deixado a bicicleta e o gibi de lado e teria pedido para ouvir mais histórias… Teria ficado ainda mais sentadinha no sofá enroscada entre as pernas da vó, a coberta e o poodle Chip, que era o mais companheiro e obediente dos cachorros. Teria aproveitado para rir mais quando o vô falava alguma coisa para irritar a vó, só para sacanear, e enquanto ela reclamava ele nos olharia e daria uma piscadela com uma cara de sarrista incomparável.

Saudades, nossa!!!

O vô faleceu em janeiro de 2008. A vó está muito saudável e forte, com a graça de Deus, mas sofre de Alzheimer, o que faz com que as histórias e a sua autonomia tenham diminuido tanto…

Apesar da falta que eu sinto daquelas férias, daqueles dias maravilhosos, só tenho a agradecer ao Criador por ter tido a oportunidade e a honra de dividir  a minha infância com seres tão especiais.

Anúncios

Publicado em maio 16, 2011, em Uncategorized e marcado como , , , , . Adicione o link aos favoritos. 1 comentário.

  1. Matheus Pezzotti

    Emocionante o post. Teu texto é colírio para os meus olhos. Você tem o dom de cativar e emocionar as pessoas, pelo menos, te garanto que a minha urge por textos seus. Quem me dera ter essa ligação com meus familiares e essa saudade dos que já se foram…Te amo! A cada dia mais.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: